Como manter o exercício da espiritualidade quando já se torna difícil frequentar templos religiosos?

Há alguns anos atrás visitei Brodowski, cidade natal de Cândido Portinari, onde sua antiga casa foi transformada em museu. Uma casa simples, com móveis simples mas com uma peculiaridade que a engrandece muito, em especial porque demonstra o cuidado que o célebre artista teve com sua mãe. Foi construída um pequena capela, mesmo com a casa estando defronte à praça da igreja. Nela há imagens sacras ornando as paredes, imprimindo uma atmosfera religiosa que torna os momentos de oração imersos em um ambiente totalmente dedicado ao enlevo, mesmo num espaço tão exíguo. A história contada é de que a mãe de Portinari era religiosa e frequentadora assídua da igreja, até o momento que não vencia o deslocamento, o que a fazia sofrer por essa incapacidade. A construção da capela atendeu seu desejo, o que lhe ofereceu conforto e felicidade.

Para aqueles que praticam a fé em rituais religiosos, a impossibilidade de comparecer por restrições de mobilidade pode deixar sequelas emocionais muito significativas, com risco de quadros depressivos. Familiares que conhecem essas rotinas podem buscar alternativas que facilitem sua manutenção, encontrando templos religiosos mais acessíveis. Mas é importante considerar que a frequência constante aos rituais torna-se uma necessidade ao longo do tempo, deixando de ser um desejo. É preciso estar atento para adequar espaços que podem garantir não só a manutenção de rotinas, mas também a felicidade do idoso.

Muitas cerimônias são televisionadas e podem ser acompanhadas em horários definidos pela programação, estabelecendo uma presença virtual mas que propicia a prática do ritual. Nesse caso, é preciso considerar as condições do ambiente, seja sala de estar ou dormitório, visto que ruídos incômodos interferem na concentração. Há como usar cortinas que amenizam esse efeito mas, caso a situação seja crítica, ainda há o uso da tecnologia como alternativa. Headphones ajustados a uma poltrona onde os fios não impeçam a passagem livre podem criar uma condição tranquila e confortável. Se houver necessidade de mudanças no nível de iluminação, instala-se um regulador de intensidade e é possível tornar o lugar temporariamente mais solene.

Outra providência a ser tomada refere-se à definição de um suporte para imagens e velas, quando fazem parte dos rituais da fé religiosa. Estabelecer um altar seguro, de fácil alcance e manutenção, nem sempre é uma tarefa fácil. Mas havendo cuidado com o material de suporte, distância de tecidos e outros propagadores de fogo, usando castiçais adequados e em alturas controláveis, pouco risco haverá quando houver supervisão. Um recanto simples mas eficiente pode garantir que a prática religiosa descontinue, satisfazendo a necessidade emocional do idoso.

 

2 comments on “Como manter o exercício da espiritualidade quando já se torna difícil frequentar templos religiosos?

  1. Há algum tempo, visitava de vez em quando um asilo aqui na minha cidade. Trabalhava como arquiteta na Secretaria de Obras e de repente, fui transferida para Vigilância Sanitária, coisas de prefeitura. Colocaram-me na equipe de Saúde Coletiva que entre outras coisas faziam inspeção sanitária em hospitais, sanatórios, asilo entre outras instituições. Quando me aposentei escolhi ser voluntária nesse asilo. Tinha em mente que poderia ajudar na melhoria dos pontos negativos da entidade. se passaram 4 anos e eu continuo no asilo. Tenho aprendido muito principalmente que é um local onde o tempo tem outra dimensão e outras coisas desse universo.
    Somente hoje descobri você. Fiquei muito interessada em ler mais o que escreve, sentindo um bem-estar por encontrar alguém que está muito a frente de mim nesse assunto e com quem poderei encontrar algumas respostas e avançar em reflexões que já fazem parte do meu dia a dia.

    Curtir

    • Cássia, vc é de Campo Grande? Se for, provavelmente fala do Asilo São João Bosco, também fiz um pequeno trabalho voluntário lá, muito antes de me embrenhar na Gerontologia. Sim, é um universo que faz parte da vida de todos nós, cedo ou tarde. E muitos se dão conta disso somente tarde! Fique à vontade para discutir, discordar, opinar sobre qualquer assunto que se refira aos modos de morar na velhice, porque tento criar parâmetros para moradias mais adequadas ao nosso tempo, ou melhor, a tempos que virão: tenho 57 anos, gostaria de viver numa moradia assistida, mas não há qualquer uma que caiba no meu orçamento. Vamos em frente, seja bem-vinda!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.