Como são organizadas as moradias de famílias que se reconfiguram na velhice?

Considera-se natural, normalmente, que as novas configurações familiares ocorram por rupturas consequentes de divórcios ou viuvez, em especial na meia idade. Surpreendem notícias sobre casamentos de idosos e geralmente vêm justificadas por histórias românticas de reencontros ou revelações de amores platônicos. Com esse foco, pouco se considera sobre as mudanças da moradia, até porque já […]Read Post ›

Moradias institucionais podem oferecer espaços de socialização tais como os das antigas residências de seus moradores?

Fazendo parte do grupo de professoras incumbidas de avaliar a tese de doutorado do arq. Emmanuel Pedroso, apresentada à UFRJ nesta semana, tive o privilégio de conhecer os resultados da pesquisa que ele intitulou “Intervalos do Apego”, referindo-se aos interstícios entre o sujeito e seus objetos, elementos identitários que denunciam relações de afeto de idosos […]Read Post ›

Acreditamos que o progresso tem acompanhado as necessidades dos idosos ao observar suas limitações no espaço público?

Ao visitar o Museu do Ceará, em Fortaleza, é possível conhecer elementos da evolução urbana dessa capital em alguns módulos do percurso em que se destacam aspectos do progresso que acompanhou seu crescimento. Em determinado momento são expostos objetos de iluminação artificial, tais como candeeiros e lamparinas, destacando os períodos de transformação da iluminação pública. […]Read Post ›

O que podemos aprender ao observar diferentes comportamentos de pessoas que circulam pelo metrô de São Paulo?

Em 2006 publiquei um ensaio sobre situações emblemáticas que observei em estações do metrô de São Paulo. Intitulado “Sabedoria Moleca”, nesta semana resgato para o blog Ser Modular. “Viver numa cidade diversa, confusa e atribulada como São Paulo certamente torna-se um motivo (natural e espontâneo, diga-se de passagem…) para que seus cidadãos sejam desligados das […]Read Post ›