Qual a real expectativa de que idosos coabitantes em um mesmo residencial possam estabelecer vínculos significativos?

Muitos residenciais apoiam sua publicidade no fato de que, em seus estabelecimentos, todos os moradores poderão fazer amigos e viver felizes como em suas próprias casas. Seria acreditar que não há diferenças culturais e experiências de vida variadas para supor que, na velhice, todos se assemelham em desejos e necessidades. Além disso, as condições de […]Read Post ›

Que estratégias têm sido adotadas em muitos países para retardar a necessidade de institucionalizar o idoso?

A busca por alternativas de moradia na velhice em geral advém da necessidade de maior assistência, da falta de cuidadores informais que ofereçam a atenção necessária em cada situação ou, mesmo, da dificuldade de conviver na mesma casa com outras gerações. Raramente são encontrados idosos que se mudam para os residenciais especializados porque desejam uma […]Read Post ›

Que elementos de ambientes ao ar livre contribuem para a autonomia de idosos institucionalizados?

Residenciais para idosos, geralmente, têm espaços ao ar livre aproveitando recuos frontais e áreas laterais dos terrenos. Mas os espaços mais interessantes podem ser aqueles que permitem ambientes de interação entre os moradores, seja em momentos de pura contemplação até em atividades propostas para animação e preenchimento do tempo livre. Aspectos tais como condições climáticas, […]Read Post ›

Quais características podem tornar mais prazerosas as refeições coletivas nos residenciais para idosos?

Quando se fala em ambiência nos residenciais para idosos, um bom caminho para verificar as dificuldades que eventualmente emergem do convívio diário é observar e investigar como é a condição de bem-estar nos ambientes coletivos. Há diferenças culturais, preferências e outros motivos que determinam a qualidade dessa convivência quando há atividades diversas, mas é no […]Read Post ›