Quais ambientes são estimulantes em residenciais coletivos?

Já falamos sobre a tipologia dos antigos asilos. Basicamente eram compostos por grandes dormitórios e refeitórios coletivos, além de banheiros para uso simultâneo por aqueles que tivessem alguma autonomia. Os mais frágeis eram cuidados no próprio leito, o que hoje chamamos de “banho de gato”. Portanto, pode-se imaginar que o compartilhamento constante possibilitava o contagio de diversas doenças, o que agravava ainda mais a situação de fragilidade dos moradores idosos.

Com o avanço da tecnologia e das pesquisas sobre higiene e prevenção de doenças, o conceito de moradia foi mudando e passou a utilizar espaços mais privativos e materiais que permitem manutenção mais eficiente. Ventilação e iluminação passaram a ser itens importantes para tornar os ambientes mais salubres e, portanto, mais confortáveis. Mesmo assim, os programas mantêm dormitórios compartilhados, geralmente com banheiros que os atendem e reduzem a rotatividade. As cozinhas passaram a ser controladas para evitar contaminações e para facilitar entrada de insumos e saída de resíduos.

Normalmente encontramos espaços externos, sejam em pátios e jardins, sejam em terraços ou varandas. Nem sempre estão mobiliados de modo a compor grupos interativos, mesmo que em alguns momentos a solidão seja preferível. A presença de jardins floridos, objetos decorativos utilizando fontes com água e outros elementos lúdicos e assentos compatíveis com permanência um pouco mais prolongada do que seria esperada em parques públicos, podem estimular o encontro entre pares e/ou familiares.

Infelizmente ainda pouco se investe em situações de intergeracionalidade, visto que visitantes de idades diversas podem chegar em grupos e há poucas opções para distrair crianças e adolescentes. Há três anos atrás foi proposto e implementado na ILPI “A Mão Branca”, localizada na Av. Santo Amaro, em São Paulo, o que foi intitulado “Parque das Gerações”. A proposta era aproveitar melhor um pátio central já calçado e onde havia um jardim, inclusive com árvores de médio porte e uma fonte com água para bebedouro de pássaros. Há dois ambientes: um infantil, com um espaço de aventuras composto com pista de amarelinha pintada no chão, uma casa básica para brincadeiras e cavalinhos de pneus. No outro foi pintado um grande tabuleiro de damas, cujas peças podem ser movidas em pé e sem esforço. Em ambos os bancos foram pintados nas três cores primárias: vermelho, azul e amarelo.

Apesar da necessidade de renovação, o lugar causou surpresa porque marca a possibilidade do encontro, o que comprova que espaços assim são sempre estimulantes e preferidos. Também são importantes locais relaxantes para a busca de momentos tranquilos, seja para orar ou lembrar. Enfim, o mais estimulante será sempre o lugar escolhido, e opções variadas permitem isso.

One comment on “Quais ambientes são estimulantes em residenciais coletivos?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.