Como conduzir a difícil decisão de escolher entre cuidar do idoso em casa ou procurar uma moradia coletiva?

Em posts anteriores já foi citado que, com o aumento da longevidade e a queda da natalidade, muitas famílias têm enfrentado momentos difíceis de decisão sobre o melhor encaminhamento para seu ente querido idoso. Além disso, houve mudanças na configuração familiar e o papel da mulher como cuidadora também tornou-se mais raro. Com isso, quando a situação torna-se crítica em função da necessidade de mais cuidado, fatalmente é preciso debruçar-se sobre as alternativas e avaliar quais são viáveis no contexto social e econômico. Geralmente há resistências sobre o encaminhamento para moradias coletivas por duas razões, essencialmente: a primeira é que os modelos existentes não são muito atraentes e as raras exceções podem ser ou muito caras ou não disporem de vagas. A outra razão incide sobre a culpa que muitos sentem por associarem quaisquer moradias a asilos, embora não possam dar a atenção que deveriam pois também não podem abrir mão das próprias vidas.

A hipocrisia natural de toda sociedade que se baseia num modelo colonial, onde a mão de obra é pouco valorizada, ainda condena muitos a organizarem seu tempo e recursos para essa finalidade, de modo a que não haja julgamentos. Porém, é preciso avaliar o quanto de qualidade se oferece ao idoso e o quanto se retira dos mais jovens. Não defendo aqui a expulsão de idosos do seio familiar, muito pelo contrário: quando há uma valorização desse indivíduo, colocando-o como um agente ativo na organização doméstica, não só ele estará feliz como fará o grupo feliz, mesmo que algum cuidado seja necessário.

Estar ativo significa produzir, ter opções e realizar atividades úteis ao grupo, o que normalmente se exige também dos filhos nas famílias contemporâneas. Portanto, manter o idoso em casa ou optar por uma moradia coletiva especializada requer atenção para a condição que não se interrompam rotinas desejadas, que mantenham a autoestima em alta e ofereçam bem-estar. Portanto, colocar o indivíduo no centro da decisão, especialmente considerando sua opinião sobre o assunto, pode amenizar conflitos e tornar a transição mais equilibrada para todos. Afinal, por que sentir-se culpado se a intenção é a melhor possível para que se mantenham firmes e fortes os laços que os unem? Moradias coletivas ou unifamiliares que mantenham a dignidade dos seus ocupantes serão sempre os argumentos mais importantes diante desta difícil decisão.

 

3 comments on “Como conduzir a difícil decisão de escolher entre cuidar do idoso em casa ou procurar uma moradia coletiva?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.