Como um idoso se relaciona com o seu lar a partir da ausência de outros familiares?

A formação de uma família geralmente é iniciada em associações por casamento, seguida pela chegada de filhos que, após o aprendizado natural oferecido pelos pais e pela escola, tornam-se independentes e formam suas próprias associações. A saída dos filhos, as separações de casais e o afastamento por razões profissionais deixa alguns espaços vazios na casa, mas muitas vezes as composições originais se mantêm pela possibilidade do retorno, mesmo que eventual. Mas a morte é uma ausência definitiva e impacta nas decisões sobre a relação que o morador estabelece com o espaço, o que leva a pensar o que motiva a permanência em um mesmo imóvel.

No filme “Reaprendendo a Amar” (EUA, 2015), a protagonista Carol (Blythe Danner) tem 70 anos, é viúva, mora em Los Angeles e tem uma única filha que se mudou para Nova Iorque. Manteve-se na residência original apesar de viver só e seu cachorro labrador Hazel está sempre em sua companhia, mas sua morte a faz perceber que é preciso adotar uma nova perspectiva sobre o que significa envelhecer. Frequenta o clube de um condomínio sênior onde encontra regularmente suas amigas, que insistem que poderia mudar para lá, deixando aquela casa tão grande e onde vivia solitária. Também acompanha uma delas em um evento para conhecer possíveis parceiros para futuro namoro, mas percebe que não está preparada para procurar companhia, pois considera sua vida organizada e com pouco espaço para arriscar novos relacionamentos.

Nesse processo de busca, torna-se amiga do jovem limpador de piscinas Lloyd (Martin Starr), que igualmente sente-se deslocado em seus objetivos, refletindo sobre como tornar a vida mais significativa. Quase simultaneamente, é abordada por um novo frequentador do clube de idosos, Bill (Sam Elliott), e passam a namorar, mas ele morre em pouco tempo, após um mal repentino. Tantas perdas trazem a certeza de que todos são insubstituíveis, mas que é preciso reaprender a amar: vai a um abrigo de animais e adota um novo cachorro de estimação, um modo de oferecer o espaço que dispõe em casa e no coração, abrindo novas perspectivas em sua vida.

A morte pode esvaziar uma casa, mas o luto esvazia a vida. Precisa ser vivido, pois faz parte do processo de compreender o impacto da ausência daquela pessoa querida, do animal de estimação ou do trabalho que dignifica e oferece os recursos para a manutenção dos desejos e das necessidades. As perdas sempre provocam impactos e é preciso tempo para assimilar o que deve mudar a partir de então. Repensar o modo de morar, seja considerando os espaços disponíveis na residência ou a possibilidade de manter-se próximo a um grupo que ofereça suporte social, é um modo de buscar novas perspectivas para a vida. Residenciais para idosos são uma tendência nesse sentido, pois oferecem opções para recomeçar, especialmente quando há um coração aberto para novos relacionamentos. Assim é a vida… um ciclo de buscas e encontros.

2 comments on “Como um idoso se relaciona com o seu lar a partir da ausência de outros familiares?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.