Quais as vantagens de se manterem intactos os dormitórios de filhos que já saíram de casa?

É evidente que a ocupação de residências unifamiliares muda ao longo do tempo. Um casal muitas vezes origina uma família com filhos, que nascem e crescem compartilhando a mesma casa até formarem novas famílias. Ainda há a possibilidade de outros parentes ocuparem outros dormitórios, ambientando os espaços de acordo com suas necessidades. As mudanças podem resultar em novos usos, mas muitas famílias mantêm a situação original considerando a ocupação eventual pelos antigos moradores.

No filme “Quando Você Viu seu Pai pela Última Vez” (Inglaterra, 2008), pai e filho têm um relacionamento complicado, devido ao temperamento dominador e ao caráter duvidoso do pai, Arthur. O filho Blake cresce observando os truques e mentiras que envolvem os relacionamentos familiares e afasta-se para viver seu casamento e a profissão, certamente diferente do pai, que o acusa o tempo todo de ter escolhido a carreira errada. Porém, Arthur descobre um câncer já em estado avançado e Blake retorna para a casa dos pais, a fim de acompanhar o processo terminal da doença. Ali começa sua reconciliação com o passado, a partir do momento que volta a ocupar seu antigo quarto e as lembranças de bons e maus momentos o invadem a cada diálogo, objeto ou situação que é revivida.

Claramente é possível perceber o quanto o ambiente construído é indutor das memórias, basta manter composições que remetam a situações vividas em família. Do mesmo modo, móveis e veículos antigos, mesmo obsoletos, trazem imagens de momentos em situações de encontro em família ou com amigos, embora nem sempre positivas. A manutenção de elementos do passado pode ser justificável, quer seja pelo uso eventual ou pelo simples desejo de guardar as lembranças nos arranjos originais. Também há a intenção de manter o clima dos momentos felizes, quando casais com filhos dependentes têm o controle da família e tomam as decisões sobre a vida do grupo. Nesse caso, ao voltar, mesmo que por situações transitórias, é impossível evitar rancores, mágoas e frustrações, sendo ingênuo pensar que somente as alegrias são relembradas.

Mas há vantagens, e repousam exatamente na motivação central do filme antes descrito: mesmo dolorosa, a reconciliação com o passado é um avanço positivo para um envelhecimento saudável, desde que se esclareçam os conflitos com base na tangibilidade dos lugares. É defensável acreditar que a passagem dos anos deva ser acompanhada pela evolução do lugar, onde a moradia caracteriza os desejos e as necessidades do grupo familiar, principalmente porque as mudanças são naturais e acompanham o progresso tecnológico, o crescimento cultural e as ambições pessoais. Voltar ao passado ao vivenciar antigos cenários trará à tona a profundidade das relações sociais, em especial as mais íntimas, e pode ser uma ameaça ou uma oportunidade: vivências assim devem ser aproveitadas para resgatar conflitos que ameacem a saúde emocional.

3 comments on “Quais as vantagens de se manterem intactos os dormitórios de filhos que já saíram de casa?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.