Como oferecer ambientes qualificados para a moradia de um idoso que espera a morte?

Muitas pessoas dizem que seu grupo social imediato é composto por poucas pessoas, “tantas quantos são os dedos de uma única mão”. Para um idoso longevo, mesmo com novas gerações na família, a tendência é que selecione cada vez mais aqueles que deseja perto de si, reduzindo o grupo que permanecerá ao seu lado até o fim. Definir como morar na velhice depende não somente da manutenção da autonomia, mas também da presença de pessoas que estimulem a convivência e alimentem os vínculos positivos. Ter amigos qualifica os ambientes, além de serem os agentes que podem identificar situações de tristeza e solidão.

A organização internacional Little Brothers (http://littlebrothers.org) foi fundada por Armand Marquiset em 1946, com o objetivo de “servir pessoas idosas isoladas e solitárias que haviam perdido suas famílias na guerra”. Seu lema é “Flores antes do pão”, significando que, “além das necessidades básicas da vida, cada um de nós tem uma forte necessidade das alegrias especiais que fazem a vida valer a pena”. A proposta oferece serviços “projetados para aliviar o isolamento e a solidão que podem produzir dor emocional e deterioração mental e física”, ajudando a que os idosos atendidos permaneçam em suas moradias.

Também começa a ser oferecido no Brasil um serviço já existente em outros países europeus e nos Estados Unidos, as doulas da morte, que oferecem apoio no fim da vida. Assim como há profissionais que apoiam o parto e os primeiros dias do recém-nascido, há os que podem acompanhar o final de vida de “pessoas diagnosticadas com doenças avançadas em progressão”, assim como de idosos longevos já fragilizados e exigindo atenção integral. A reportagem publicada na Folha de São Paulo de 30/01/2019, na sessão equilíbrio, traz depoimentos de alguns desses profissionais, que reconhecem ainda não ser comum a contratação desse tipo de serviço. Porém, a tendência a famílias menores já justifica que esta etapa seja ressignificada, pois o alívio é oferecido ao indivíduo que morrerá, mas também aos familiares, geralmente sofrendo pela sensação de incapacidade nestes momentos finais.

Há uma tendência a que se ofereçam clínicas focadas em finitude também no Brasil, hospedando os entes mais próximos juntamente com o doente. Funciona como um hospital de retaguarda sem retorno, também considerando os procedimentos de ritos fúnebres e as providências desde o atestado de óbito até o funeral. Tem o apoio de psicólogo, advogado e despachante de documentos, além da equipe médica e de enfermagem, oferecendo conforto para uma situação de luto mesmo antes da morte do ente querido. Nesse período de transição, geralmente as rotinas dos familiares e amigos mais chegados tornam-se mais difíceis, o que justifica a aquisição do serviço. Seja qual for a alternativa para a família e amigos que acompanham um indivíduo nos seus momentos finais, o ambiente de moradia deve estar qualificado, oferecendo o conforto necessário para a vivência do luto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.