Como a determinação de ficar em casa em função da pandemia pode ser minimizada nas reuniões em família?

Este ano de 2020 foi de muito aprendizado, especialmente em questões de higiene, pois o simples ato de lavar as mãos teve que ser reaprendido. Calçados usados na rua foram limitados à porta de casa, assim como o uso da máscara provou ser a melhor solução para proteger quem usa e quem se aproxima. Mas foi nas relações sociais que houve um impacto mais significativo, desde a ausência do abraço até o sorriso escondido, esfriando encontros antes mais efusivos. O medo da Covid-19 alterou o comportamento, levando a gestos mais contidos e esfriando o desejo de estar acompanhado.

Aumentou a coesão familiar, assim como surgiram os conflitos na convivência intensiva a partir do começo da pandemia. Quando alguns saiam e cumpriam suas atividades fora de casa, o fôlego na rotina conjunta aliviava cobranças, críticas e tensões, normais em família, mas acirradas neste ano de intenso home office. Por outro lado, ajustes para o trabalho online daqueles que puderam seguir em frente, trouxe necessárias adaptações técnicas e logísticas, considerando principalmente a necessidade de ambientes adequados para reuniões e apresentações em geral. Além de minimizar ruídos externos e manter uma iluminação adequada, preservar a privacidade e manter-se confortável por longos períodos foram desafios enfrentados por muitos. 

Aspectos que pareciam secundários nos ambientes residenciais mostraram-se importantes a partir de então. Espaços destinados às entradas das residências passaram a receber uma área para troca de calçados, tanto para moradores quanto para visitantes. Assim, configura-se uma região considerada “suja”, entre o público e o privado, com material de limpeza e desinfecção facilitando o processo de guardar. Já é comum em países orientais, era adotado por quem percebia que o calçado vindo da rua traz impurezas para dentro de casa e, ainda, há quem considere que energias que são trazidas nos sapatos não devem circular onde se espera paz, harmonia e amor. Enfim, sejam por quais motivos, sapatos estão destinados a permanecer perto da porta e jamais voltarão aos dormitórios.

Neste final de ano atípico, quando as confraternizações estão comprometidas pelo necessário distanciamento para prevenir a infecção pelo coronavírus, reuniões em família podem acontecer, mesmo sem abraços e beijos. Ficando cada um na sua própria casa, os recursos de vídeo e mensagens de áudio podem trazer o calor da lembrança para as pessoas queridas. Os que puderem se deslocar na cidade, levam consigo um calçado limpo para trocar na chegada, mantendo o conforto e garantindo que o ambiente não seja infectado. Toalhas de rosto podem ser de papel, assim como as refeições devem ser servidas porcionadas por alguém que lave muito bem as mãos antes de fazê-lo, atitude tomada igualmente por todos que tocarem os talheres de servir. Se possível, usar utensílios descartáveis também diminui o risco, mas é preciso evitar muita proximidade em ambientes fechados. Cuidados simples e viáveis, que alteram as cores das festas tradicionais, mas ainda permitem que os mais isolados possam conviver em família.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.