A chegada de um bebê em uma família exige mais atenção do que a dedicada a um idoso dependente?

Sou avó novamente! Já são quatro crianças lindas e saudáveis vibrando pela vida e exercitando seus pais para que aprendam com eles, pois é uma troca intensa até que sejam capazes de seguir suas próprias vidas. Filhos são experimentos que desejamos muito que sejam bem sucedidos: investimos neles e, acertando ou errando, procuramos fazer nosso melhor para que sejam dignos de alçarem voos a lugares almejados, convivendo com as diferenças, respeitando hierarquias e preparados para grandes decisões, mas sempre mantendo ideias próprias, questionando o que não entendem e buscando uma vida plena, especialmente formando suas próprias famílias. Nem sempre acontece como previam, mas que sejam capazes de novos começos e corajosas retomadas.

Netos trazem outro sabor à vida dos avós: é voltar a cantar, é lembrar das nossas experiências quando éramos tão sem prática quanto os filhos são agora e reaprender que personagens do imaginário infantil provocam prazer nessas pequenas pessoas. Mas nós, avós, não precisamos educar, isso já tentamos fazer com nossos filhos. Então estamos livres desse compromisso, podendo até transgredir pequenas regras como quem combina um crime com um cúmplice. Na gaveta da vovó tem chocolates, aqueles que os pais negam em suas casas. No armário da vovó tem surpresas, de peças de roupas que viram fantasias até presentinhos deixados lá pra provocar novos sorrisos. Sim, deseducamos, mas é tão eventual que nem influencia tanto assim. 

Meu netinho chegou forte, com quase 4,4kg de calor e choro intenso quando há algum desconforto. Basta resolver e tudo vira silêncio, apesar da angústia dos jovens pais, que temem errar. Quem tem netos já passou por isso. Mas quem tem pais ou avós idosos que, se muito frágeis, precisam de companhia em muitos momentos do seu dia? Trazê-los para casa cria uma ruptura com seu passado e a cobrança de sentirem-se fora do seu mundo de paz e aconchego pode chegar a qualquer momento. Ir para suas casas significa alterar rotinas criadas durante muito tempo e, de novo, rompe a normalidade. A decisão sobre uma dessas soluções ou sobre escolher um residencial novo com todos os serviços é sempre difícil e não parte do zero, como é a chegada de um bebê, geralmente amado durante os nove meses que antecedem seu primeiro dia em casa. 

Faço uma reflexão sobre como somos despreparados para receber uma pessoa que pode depender de nós quando a velhice apresenta fragilidade, submetendo as famílias a decisões difíceis quanto à responsabilidades no cuidado pessoal, na administração de bens, na atenção exigida para diminuir a solidão e nas dificuldades para lidar com o desejo de manter sua própria história, pois esse já é um ser vivido, com bagagem emocional e material, que luta para continuar sendo um ator social tal como se tornou quando se desapegou do cuidado pelos pais. Estou decidindo se o bebê exige mais atenção, pois ele precisa de alimento, limpeza e carinho, mas o idoso dependente precisa, além disso tudo, de respeito por ser quem é, mesmo se não puder mais cuidar de si.

2 comments on “A chegada de um bebê em uma família exige mais atenção do que a dedicada a um idoso dependente?

  1. Parabéns Vovó, 4,4 kilos já demonstra que os pais tiveram bastante paciência e cuidado . Digamos assim, esse já nasceu andando.
    De uns tempos para cá percebemos que os idosos têm cuidados bem semelhantes aos bebês: cuidadores, fraldas, apoio para banho, pomadas e por aí vai.
    O mais importante é que os avós além de criar filhos e “deseducar ” netos tem que garantir condições financeiras para os cuidados necessários da terceira idade .
    A cada ano estão vivendo mais , minha mãe tem seus 93 anos e ontem tomou a segunda dose da vacina. Devido a pandemia foi o segundo dia que saiu de casa no último ano.
    No mais Parabéns pelo neto e principalmente por ensinar além da família seus seguidores . Abs

    Curtir

    • Obrigada, Silvio… de fato, é uma alegria receber esse novo ser humano na família, com tudo para aprender. Penso que não recebemos nossos idosos para cuidar com a mesma alegria, e eles já aprenderam muito para terem que se adequar a novos hábitos. De fato, precisamos nos preparar financeiramente para a velhice, e morar bem inclui isso… esse é um dos motivos que me faz manter a publicação de ensaios sobre moradia: é necessária uma antecedência para isso, caso contrário a família vai decidir por nós… Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.