A busca pela felicidade ao longo da vida conduz à definição do melhor modo de morar na velhice?

Caracteriza-se uma moradia como um lugar que abriga, estimula os sentidos e oferece conforto, garantindo bem-estar. Normalmente são investidos tempo e dinheiro para tornar esse o lugar bom para viver, agregando facilidades em materiais agradáveis e com tecnologia em constante atualização. A cada dia surgem novidades para o corpo e para a alma, e as propagandas prometem prazer, status e eterna juventude, bombardeando as redes de comunicação com ofertas que estimulam o desejo de consumo que, se não forem corretamente avaliados, resultam em dívidas e frustrações. Mas certamente o prejuízo definitivo seja a solidão, pois respeito e amizade não se compram, são conquistas lentas e graduais.

No curta Hapiness (Inglaterra, 2017), de Steve Cutts (https://www.youtube.com/watch?v=e9dZQelULDk), cidadãos de uma grande metrópole são representados por ratos, cercados por estímulos midiáticos que oferecem felicidade ao consumir os mais diversos produtos. Para alcançar o tal estado pretendido, o protagonista submete-se a sacrifícios impostos pela competição nas rotinas diárias, desde o espaço apertado nas calçadas e no transporte de massa, até a compras num ambiente selvagem de uma loja que oferece promoções. Apesar de exausto, recupera o ânimo ao assumir o volante de um desejado carro esporte que, preso no congestionamento, é multado, pichado e roubado, deixando-o novamente desanimado e sem possibilidade de reação. Recorre à oferta de felicidade em bebidas alcóolicas, que pioram seu estado, levando-o a buscar pílulas farmacêuticas para “fugir” artificialmente do mundo real, ilusão que logo também se desfaz. Literalmente persegue o dinheiro, culminando no aprisionamento a um emprego onde é nitidamente infeliz, representado por uma enorme ratoeira.

O jornalista Wilson Roberto Vieira Ferreira expõe sua opinião sobre o curta, em http://cinegnose.blogspot.com/2017/11/curta-da-semana-happiness-quando.html:

Se na filosofia grega da antiguidade a “felicidade” era um conceito ligado à ética (a estreita relação entre a virtude de caráter, a felicidade e a importância dos bens externos como a saúde, a riqueza e a beleza), na sociedade de consumo apenas os bens externos foram considerados e a virtude de caráter esquecida. 

A busca pela felicidade ao longo da vida poderá conduzir à definição do melhor modo de morar na velhice se houver um equilíbrio entre o “ter” e o “ser”, já que amealhar patrimônio e dinheiro não garante boas companhias, muito pelo contrário: a falta de atenção à família e a amigos leva à solidão, rompendo vínculos de modo definitivo. Sempre haverá a possibilidade de um resgate ou de construírem-se novas relações sociais, mas isso somente acontecerá se houver um empenho de mudança. Pertencer a um grupo social é parte do ato de habitar e, no final das contas, conforto é muito mais do que estar em um lugar luxuoso e com os serviços à disposição. Se não houver abraços, a procura da tal felicidade continuará, provavelmente em vão.

2 comments on “A busca pela felicidade ao longo da vida conduz à definição do melhor modo de morar na velhice?

Deixe uma resposta para Profª Maria Luisa Trindade Bestetti Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.